Boom tecnológico mantém a América Latina em destaque com relação ao crescimento da Interconexão

Pelo segundo ano consecutivo, o Global Interconnection Index coloca a América Latina no posto de região com maior taxa de crescimento

Wellington Lordelo
Steve Sasse

Nos últimos anos, a América Latina (LATAM) despontou como a nova queridinha da indústria tecnológica, e por um bom motivo. O boom tecnológico na América Latina vem sendo alimentado por uma população jovem e ligada em tecnologia, com uma alta taxa de adesão a dispositivos móveis e um contexto financeiro peculiar, que está dando espaço para novas startups e fintechs. Segundo estimativas da IDC, mais da metade do PIB da América Latina virá de investimentos em tecnologia até 2022, com quase US$ 380 bilhões revertidos em gastos com TI. Desse total, 70% devem ser direcionados a “tecnologias de Terceira Plataforma”, que formam os pilares da transformação digital – big data e analytics, cloud, mobilidade, redes sociais, Internet das coisas (IoT) e as interdependências entre estes.[i] Tendo em vista o constante crescimento dos negócios digitais na América Latina, serão necessárias infraestruturas de TI que favoreçam interações em tempo real entre pessoas, coisas, locais, clouds e dados para capturar valor. Por isso, as empresas estão sendo levadas a buscar formas mais criativas para se expandirem digitalmente, o que aumenta ainda mais a necessidade de Interconexão, ou seja, a troca de tráfego direta e privada entre parceiros de negócios importantes. Em um estudo independente encomendado pela Equinix, a APCO Insight entrevistou 2.485 tomadores de decisão de TI no mundo todo. Dentre os entrevistados na América Latina, 76% apontaram a Interconexão como um facilitador fundamental para a transformação digital.[ii]

 

A terceira edição do Global Interconnection Index (GXI) prevê que a América Latina, pelo segundo ano consecutivo, será a região com maior taxa de crescimento, com a capacidade de Velocidade de Interconexão subindo a uma taxa composta de crescimento anual (CAGR) de 63% ao longo de cinco anos (2018–2022). O GXI mensura e projeta o crescimento da Velocidade de Interconexão privada necessária para auxiliar as empresas a impulsionar os negócios digitais.[iii] Até 2022, conforme prevê o GXI Volume 3, a Velocidade de Interconexão instalada no mundo inteiro poderá chegar a mais de 13.300 Tbps, que equivale a 53 zettabytes por ano. Em um minuto, essa quantidade de Velocidade de Interconexão poderia processar, simultaneamente, 536 milhões de streamings de vídeo com resolução 4K. A América Latina deve responder por 11% desse total, atingindo a capacidade de Velocidade de Interconexão de mais de 1.430 Tbps ao longo do mesmo intervalo de tempo.

CRESCIMENTO DA LARGURA DE BANDA DE INTERCONEXÃO POR REGIÃO

Macrotendências na América Latina

O GXI destaca cinco importantes macrotendências em tecnologia e regulamentações que moldam o cenário competitivo em todos os setores: rápido crescimento dos negócios digitais, urbanização, riscos de cibersegurança, exigências de conformidade e volumes de dados, e ecossistemas de negócios.

Com um comprovado ímpeto por adoção de tecnologias, a América Latina representa uma oportunidade única para o crescimento dos negócios digitais. Brasil, México e Argentina estão entre os 10 principais mercados com maior total de horas semanais gastas na Internet, grande parte em dispositivos móveis.[iv] Os consumidores são mais jovens, em média, do que em outras regiões e abertos a aderir a coisas novas como e-sports, streaming de vídeos, experiências de compras virtuais, entregas por drones, entre outros. Produtos e serviços virtuais, como streaming de mídia ou bancos digitais, podem ser lançados rapidamente, sem passar pelos elementos tradicionais do setor. Consequentemente, a América Latina é uma das regiões que mais cresce em serviços digitais e comercialização de dispositivos móveis – e os investidores estão atentos a isso. Os investimentos em capital de risco para empresas startups de tecnologia na região atingiram US$ 2 bilhões em 2018, com fintech e logística ocupando o topo da lista.[v]

Os investidores também estão se reunindo para levantar a infraestrutura que os negócios digitais precisam para se manterem. Redes de fibra óptica, torres de celular, data centers e rotas de cabos submarinos, como Monet, Curie e Seabras-1 ganharam o interesse dos investidores de longo prazo. Em 2018, foram implantados cinco cabos submarinos na região, que totalizam mais de 25.000 km de comprimento, e outros 26.700 km estão previstos até 2020.[vi] Os provedores de conteúdo estão desempenhando um papel importante, tornando-se clientes locatários e proprietários de novos sistemas de cabos na região, em uma corrida para atender à crescente demanda. Entre 2014 e 2018, a demanda de longa distância dos provedores de conteúdo cresceu a uma taxa composta de crescimento anual de 95%, ultrapassando provedores de backbone de Internet.v

Mais de 1.430 Tbps

Espera-se que, pelo segundo ano consecutivo, a América Latina seja a região com o mais rápido crescimento em Velocidade de Interconexão.

Conteúdo e mídia digital assume a liderança, mas outros setores vem aquecendo

Diante dessas macrotendências, não surpreende a estimativa que aponta o setor de Conteúdo e Mídia Digital na América Latina como o maior do mundo em termos de Velocidade de Interconexão instalada (8% maior que a América do Norte). Crescendo a uma taxa composta de crescimento anual de 59%, espera-se também ser o maior segmento do setor na América Latina, respondendo por 31% da Velocidade de Interconexão até 2022. A expansão para atender ao aumento da demanda por conteúdo digital localizado exige que os provedores de conteúdo se aproximem dos ecossistemas de parceiros e usuários para resolver a questão da latência e garantir o melhor desempenho para os usuários. Por esse motivo, os provedores de conteúdo estão recorrendo à Interconexão privada e direta em seus ecossistemas para garantir uma experiência de streaming perfeita. Outros que estão consumindo a maior parte da capacidade de Velocidade de Interconexão são empresas dos seguintes setores: Bancos e Seguros (17%), Serviços de Cloud e TI (14%) e Manufatura (10%).

Apesar de partirem de uma base modesta, muitos segmentos do setor devem apresentar uma taxa composta de crescimento anual superior a 100%, acompanhando o aquecimento da economia digital na América Latina. Por exemplo, o setor de Energia e Serviços Públicos (117%) é o setor que mais cresce na América Latina, por ser um mercado muito dinâmico e volátil em uma região com enorme potencial de crescimento comercial.

Consulte o para ver a lista completa dos setores que estão impulsionando o crescimento da Interconexão na América Latina.

A expansão de infraestruturas e as ofertas digitais estão moldando a Interconexão de ecossistemas

Enquanto os provedores de serviços na América Latina ainda trabalham na expansão de suas infraestruturas, as empresas desenvolvem rapidamente produtos digitais e ecossistemas de serviços para aumentar a receita. Sendo assim, estima-se que as enterprises e os provedores de serviços dividam igualmente o número total de interconexões privadas até 2022, com uma taxa composta de crescimento anual de 85% e 50%, respectivamente.

Também espera-se que as enterprises utilizem 68% de sua capacidade instalada total de Velocidade de Interconexão para alcançar operadoras de telecom, enquanto outros 23% serão usados para se conectarem a provedores de serviços de cloud e TI. Operadoras de telecom (73%) e provedores de serviços de cloud e TI (10%) também lideram os tipos de contrapartes aos quais os provedores de serviços estão tendo acesso via Interconexão direta e segura, à medida que ampliam as infraestruturas digitais na América Latina. Embora a conexão com provedores de infraestrutura digital esteja crescendo rapidamente, as empresas latino-americanas, de olho no futuro, também se mostram preocupadas em evitar o chamado vendor lock-in, quando as empresas ficam presas à tecnologia de um fornecedor. Segundo a IDC, até 2024, 80% das 1.000 empresas mais importantes da América Latina reduzirão o lock-in por meio de tecnologias multicloud híbrida.i Aproveitando ao máximo plataformas vendor-neutral, como o Equinix Cloud Exchange Fabric™ (ECX Fabric™), que ficam na edge, próximas a várias operadoras e provedores de cloud, as empresas latino-americanas podem ter acesso ao provedor de sua preferência, com conexões privadas de baixa latência e alta velocidade.

CASO DE USO DE VELOCIDADE DE INTERCONEXÃO POR ECOSSISTEMAS – AMÉRICA LATINA

 

442 Tbps

Crescendo a uma taxa composta de crescimento anual de 59%, espera-se que o setor de Conteúdo e Mídia Digital na América Latina seja o maior do mundo em termos de Velocidade de Interconexão instalada (8% maior do que a América do Norte).

Quatro mercados estratégicos na América Latina respondem pela maior taxa de crescimento em Interconexão

A América Latina é a segunda região mais urbanizada do mundo – atrás da América do Norte –, com 81% da população morando em áreas urbanas.[vii] Centros urbanos com grande concentração populacional aumentam a demanda por sistemas, serviços e experiências compartilhados. Para atender essa demanda, deve-se encurtar a distância entre os serviços digitais e os usuários. A Interconexão na digital edge aproxima dados, clouds, parceiros e usuários, gerando níveis ideais de desempenho de aplicações e experiência do usuário.

Segundo estimativas, os quatro maiores mercados estratégicos da América Latina devem manter em 2022 os mesmos 77% de tráfego de Interconexão total (1.106 Tbps), crescendo a uma CAGR de 61%. As duas maiores cidades brasileiras, São Paulo e Rio de Janeiro, devem ter um aumento sete vezes maior na capacidade da Velocidade de Interconexão durante esse período. São Paulo deve responder por 37% do tráfego na América Latina em 2022, seguido pelo Rio de Janeiro (18%), Buenos Aires (12%) e Cidade do México (10%).

Visando apoiar a crescente demanda desses mercados, a Equinix continua ampliando a Platform Equinix para capacitar as empresas em sua jornada rumo à digital edge. Por exemplo, as várias expansões planejadas para 2019 e início de 2020 fomentarão a oferta no Brasil, principalmente para oferecer suporte a hyperscalers, players de conteúdo e demanda corporativa para localizar dados e promover o desenvolvimento do ecossistema junto aos provedores de serviços de cloud e TI.

VELOCIDADE DE INTERCONEXÃO POR MERCADO ESTRATÉGICO – AMÉRICA LATINA

  1. O arredondamento pode afetar os totais.
  2. Estes são os principais mercados estratégicos e não incluem todas as áreas metropolitanas.

Leia para obter mais informações sobre as tendências de crescimento da Interconexão e os cenários de implantação por região, setor e parceiros de ecossistema.

Você também pode se interessado em ler:

GXI Vol. 3 América do Norte

GXI Vol. 3 Europa

GXI Vol. 3 Ásia-Pacífico

 

[i] IDC, IDC FutureScape: Latin America IT Industry 2019 Predictions, Dec 2018; Wikipedia, Third Platform, Nov/ 2017.

[ii] Pesquisa APCO Insight, patrocinada pela Equinix, agosto de 2019.

[iii] A Velocidade de Interconexão refere-se à capacidade total disponibilizada para troca de tráfego, privada e direta, com um conjunto diversificado de parceiros e provedores, em pontos de troca de tráfego de TI distribuídos dentro de data centers de colocation carrier-neutral.

[iv] AMI, The Technology Future of Latin America, maio de 2017.

[v] LAVCA, Executive Briefing: The Glass Half Full – Finding Opportunity in Latin America Today, julho de 2019.

[vi] TeleGeography, Latin America Telecommunications Map 2019.

[vii] United Nations, World Urbanization Prospects 2018: Highlights.

 

77%

do tráfego de Interconexão na América Latina em 2022 virá de quatro mercados estratégicos: São Paulo, Rio de Janeiro, Buenos Aires e cidade do México.

Wellington Lordelo
Wellington Lordelo Manager, Solution Marketing
Steve Sasse
Steve Sasse Sales Director, Latin America & Caribbean