Como o 5G e as clouds vão suportar o volume crescente de troca de dados?

A Interconexão tem papel fundamental nessa história, otimizando a distribuição de dados

Eduardo Carvalho
Fabio Andreotti
Paulo Humberto Gouvea
Como o 5G e as clouds vão suportar o volume crescente de troca de dados?

Uma tendência global observada já há algum tempo é o crescimento exponencial do volume de dados gerados e consumidos. Com a chegada do 5G, o estabelecimento de conexões seguras e privadas com as clouds se torna ainda mais necessário às empresas para que possam suportar um tráfego maior de informação, por conta da interação entre pessoas e coisas em tempo real. Afinal, é preciso gerar valor e as melhores experiências para os clientes.

Por isso, estruturas de TI estão sendo preparadas para essa troca massiva de informação – e apenas uma adaptação bem planejada vai garantir o funcionamento adequado dos produtos e serviços oferecidos pelas companhias. Fabio Andreotti, Head da Google Cloud Brasil, explicou durante o Webinar “Como o 5G e as clouds vão suportar o volume crescente de troca de dados” que todas as empresas buscam uma forma mais escalável de tratar as demandas, o que será ainda mais necessário com a chegada da 5G, que abrirá a possibilidade do surgimento de muitas novas aplicações tanto para consumidores, quanto para negócios

Assista o webinar com participaçao da Equinix, Tim e Google Cloud

Entenda ainda melhor como o 5G e as clouds vão suportar o volume crescente de troca de dados

Assista agora
Fonte: Unsplash
Troca de dados deve ser exponencializada pela entrada do 5G.

Imposição da transformação digital

“Com a pandemia, fomos atirados à transformação digital”, pontua Paulo Humberto Gouvea, Head de Corporate Solutions da TIM, que também participou do Webinar. Ele complementa dizendo que as soluções implantadas nos últimos meses levariam de 3 a 5 anos para se consolidarem em condições normais.

“Todas as ferramentas de comunicação que permitem estar presente em qualquer lugar de forma virtual mais efetiva já existiam – e o volume de dados tem crescido 60% por ano, o que não foi diferente agora. O que mudou foi a estrutura: antes, profissionais se deslocavam até as empresas, onde os dados eram concentrados, mas a demanda foi para a nuvem”, justifica.

Ainda segundo Paulo, tudo já estava preparado para a chegada do 5G, uma vez que se trata da evolução da geração anterior e, ainda assim, utiliza a mesma tecnologia. O que faltava era a coragem digital – impulsionada pela pandemia. Entretanto, a TIM aguarda o leilão da frequência do 5G , que deve acontecer ano que vem, para divulgar sua estratégia e repetir a liderança e protagonismo que teve com o 4G.

Descentralização de estruturas foi a grande mudança gerada pela pandemia.

5G, cloud e Interconexão

As grandes características da 5G são disponibilidade, confiabilidade, latência e banda, que acabam mudando o conceito de mobilidade e geram aplicações voltadas à eficiência e à produtividade da indústria. Fábio aponta que a cloud possui um papel importante, já que será responsável pela distribuição eficaz das infraestruturas de empresas. “Ela vai chegar às pontas, o que chamamos de edge.”

Considerando o movimento, haverá a necessidade de gestão da rede e de conectividade de uma forma ainda mais intensa. Entre os desafios principais dessa jornada estão o alcance e a escalabilidade dos investimentos.— empasses que podem ser resolvidos por meio do Equinix Cloud Exchange Fabric (ECX Fabric).

O software permite que as empresas gerenciem seus ecossistemas digitais remotamente, provisionando conexões de rede entre data centers sob demanda, ou seja, de acordo com suas necessidades, aumentando ainda mais o próprio alcance com a chegada do 5G – tudo de maneira simples com a segurança e a estabilidade proporcionadas pela Equinix

Por meio dela, estruturas descentralizadas farão parte de toda a mudança que já está ocorrendo e que tende a se fortalecer ainda mais. “Um ponto importante que vai ao encontro dos protocolos das topologias do 5G são as estruturas distribuídas. Data centers espalhados geograficamente por todos os lugares conseguem oferecer essas características”, conta Eduardo Carvalho, presidente da Equinix no Brasil, também participante do Webinar. Ele complementa que a união de todos os agentes proporcionará ganhos substanciais ao usuário final.

Data centers distribuídos têm papel fundamental na adaptação de empresas.

Um universo de possibilidades

Expansão e virtualização de soluções, implementadas por equipes multidisciplinares, serão essenciais para a transferência adequada das empresas para a cloud – e as novas utilizações devem pautar as decisões daqui para frente.

Paulo Humberto Gouvea explica que o tratamento das informações proporciona a democratização das experiências e o aprimoramento dos produtos – permitindo que o cliente tenha os maiores benefícios imagináveis, algo possível com a união do 5G e da cloud.

A Equinix, claro, participa desse processo constante de inovação, possibilitando uma resposta ágil às mudanças de mercado, por meio da Interconexão do ecossistema, da facilidade garantida pelo gerenciamento remoto através do Equinix Cloud Exchange Fabric (ECX Fabric) e da aceleração da flexibilidade e da escalabilidade dos negócios.Para conhecer mais os benefícios da ferramenta  basta visitar a página e entrar em contato conosco.

Para ter mais insights sobre o tema e assistir toda a gravação da mesa redonda onde abordamos esses tópicos com o Google Cloud e a TIM, acesse.

 

 

Eduardo Carvalho
Eduardo Carvalho Managing Director / Presidente - Brasil
Fabio Andreotti
Fabio Andreotti Guest Author: Head of Retail, Telecom and Media, Google Cloud Brasil
Paulo Humberto Gouvea
Paulo Humberto Gouvea Guest Author: Director of Corporate Solutions, TIM