Pesquisa Global Tech Trends mostra aceleração da digitalização em todo o mundo

58% dos líderes de TI estão investindo em tecnologia para tornar seus negócios mais ágeis

Matthew George
Tejaswini Tilak
D.R. Carlson
Pesquisa Global Tech Trends mostra aceleração da digitalização em todo o mundo

O antigo filósofo grego Heráclito de Éfeso disse uma vez: “A única coisa que é constante é a mudança”. Essa é certamente uma descrição adequada de 2020, quando a pandemia da COVID-19 introduziu mudanças radicais em todas os setores e comunidades. Organizações em todo o mundo tiveram que acelerar sua transformação digital para se adaptar ao que ficou conhecido como o “novo normal”. E embora as tecnologias digitais tenham nos possibilitado nos adaptar rapidamente às novas formas de trabalho, aprendizagem, conexão com a família e amigos e muito mais, o ritmo da mudança não mostra sinais de desaceleração. Em meio a esse cenário em rápida mudança, nunca foi tão importante que as organizações entendessem as tendências que moldam o mundo ao seu redor.

Para entender melhor as tendências tecnológicas que afetam as empresas, a Equinix recolheu insights de 2.600 tomadores de decisão de TI de diversas empresas em 26 países das regiões Américas, Ásia-Pacífico e EMEA. Agora, em sua terceira edição, nossa Pesquisa Global Tech Trends (GTTS) explora o impacto da COVID-19 nos planos de infraestrutura digital, infraestrutura em cloud e implantações, como o 5G e a sustentabilidade estão mudando o cenário da infraestrutura de TI, as principais prioridades e ameaças digitais, bem como o uso e os benefícios da interconexão.

Pesquisa Global Tech Trends 2020-21

Explorandoas opiniões dos líderes digitais globais sobre as tendências, desafios e oportunidades que moldam os negócios em todo o mundo.

Faça o download do estudo
GTTS CTA eBook Image v2

A GTTS revela mudanças das estratégias de TI para melhorar a agilidade:

Impacto nos planos de expansão: Embora mais da metade (57%) das empresas ainda planejem expandir, apesar da disrupção trazida pela pandemia, quase dois terços (63%) dessas empresas planejam alcançar isso por meio virtual, em vez de investir em infraestrutura física de TI.

Aceleração da transformação digital: seis em cada dez disseram ter revisado sua estratégia de TI como resultado da COVID-19. Oito em cada dez disseram que digitalizar sua infraestrutura de TI era uma prioridade máxima e quase metade (47%) relatou que acelerou os planos de transformação digital.

Investimento em agilidade e flexibilidade: quase seis em cada dez (58%) dos entrevistados estão planejando investir em tecnologia para tornar seus negócios mais ágeis no pós-pandemia. Um componente-chave desse aumento de agilidade é a mudança para a cloud – 68% planejam mover mais funções para a cloud.

Re-arquitetura para o trabalho híbrido: 51% das empresas reformularam sua infraestrutura de TI para atender às novas exigências de trabalho remoto e híbrido e quase dois terços (64%) acreditam que haverá mudanças no longo prazo em relação a onde e como as pessoas trabalham dentro de suas organizações.

Utilização da interconexão para obter sucesso: 58% dos líderes de TI veem a interconexão como um dos principais facilitadores da transformação digital – um aumento de 9% em relação aos resultados do ano passado. Os principais benefícios citados foram o aumento da flexibilidade de conectividade, seguido pela melhoria da otimização da rede. Tanto a facilitação da transformação digital (31%) quanto a conexão com ecossistemas digitais (21%) cresceram significativamente em relação aos resultados do ano passado.

Descobrindo o 5G: metade dos entrevistados concordou que o maior impacto do 5G é a capacidade que dá às empresas de tirar proveito de novas tecnologias, mas 36% também estão preocupados com a necessidade de reformular a infraestrutura para aproveitar os recursos do 5G.

Busca por sustentabilidade: a maioria (54%) disse que a sustentabilidade é um grande foco para sua organização e a maioria (57%) tem um plano de sustentabilidade no longo prazo para sua infraestrutura de TI. Ao mesmo tempo, apenas metade disse que sua cadeia de fornecimento ecologicamente sustentável influencia as decisões de compra, mas isso aumentou oito pontos percentuais desde o ano passado.

Insights regionais

As Américas estão à frente da curva na digitalização da experiência do usuário na cloud

Um conjunto de prioridades relacionadas à transformação digital surgiram em verticais-chave nas Américas. Por exemplo, as principais prioridades para serviços financeiros incluem experiências omnicanal, gestão de custos e eficiências e modernização da infraestrutura digital. A experiência do usuário também é um grande foco do setor de conteúdo e mídia digital (CMD), especialmente em torno da melhoria da colaboração remota para criação de conteúdo e jogos, bem como a criação de experiências personalizadas. A necessidade de consolidar dados de clientes e desenvolver modelos de negócios ágeis também está levando o setor de CMD a expandir a infraestrutura digital. Prioridades semelhantes aparecem nos setores de saúde e ciências da vida, à medida que as organizações se concentram em melhorar as experiências dos pacientes e funcionários, desenvolver serviços e soluções baseados em cloud e utilizar de forma mais eficaz a inteligência de negócios (IN), a análise de dados, a inteligência artificial (IA) e a aprendizagem de máquina (AM).

O tema unificador aqui é melhorar o acesso a informações e aplicações. Em um artigo recente no LinkedIn, Randy Bean, CEO da NewVantage Partners LLC, observa “…as empresas vêm realizando novos investimentos em infraestrutura e recursos, principalmente no autoatendimento do cliente. Espera-se que os investimentos tenham um impacto duradouro e representem uma visão para o futuro que combina facilidade, velocidade e simplicidade de resposta para dar suporte ao trabalho remoto e ao acesso remoto ao cliente”.[i]

Como parte da pesquisa para a GTTS, pesquisamos 500 tomadores de decisão de TI nas Américas – 100 líderes digitais de cada um dos seguintes países: Brasil, Canadá, Colômbia, México e Estados Unidos. A pesquisa confirmou que digitalizar a infraestrutura de TI (82%), melhorar a experiência do usuário para os clientes (82%) e reduzir custos e aumentar a eficiência (80%) foram as prioridades, juntamente com a melhoria da segurança cibernética (83%) e cumprimento dos regulamentos de dados (82%).

Olhando para prioridades de negócios mais amplas, 61% das organizações em todas as Américas estão atualmente em expansão, embora seja mais comum na América Latina do que na América do Norte. Certamente, o impacto da COVID-19 foi sentido em muitas áreas de negócios, com 54% das empresas acelerando suas transformações digitais e 49% dizendo que seus orçamentos de TI foram aumentados para satisfazer o rápido crescimento do digital. Semelhante à média global, quase dois terços esperam expandir virtualmente em vez de investir em infraestrutura física.

Para alcançar suas prioridades, líderes digitais em todo o mundo planejam se mover mais para a cloud, mas as Américas estão à frente da curva – quase três quartos (73%) dizem que vão mover mais funções para a cloud, em comparação com 68% globalmente. Além disso, quase quatro em cada cinco (79%) indicou que o farão ao longo dos próximos 12 meses.

2.600

The Equinix Global Tech Trends Survey captures insights from 2,600 IT decision-makers across the Americas, Asia-Pacific and EMEA to explore the impact of COVID-19 on digital infrastructure plans and other technology trends.

Os tomadores de decisão de TI na América do Norte e na América Latina são grandes defensores do valor da interconexão. Quase três em cada quatro (72%) concordam que a interconexão os ajudará a navegar em um mundo pós-pandemia, em comparação com 58% globalmente. Eles também veem a interconexão como um facilitador-chave para a transformação digital (69%) e a vantagem competitiva (67%) – em comparação com 57% e 54% globalmente. As principais verticais das Américas que devem se beneficiar da interconexão são serviços financeiros, saúde e serviços profissionais.

5G e cibersegurança são assuntos prioritários na Ásia-Pacífico

No último ano, as principais empresas da Ásia-Pacífico (AP) puderam ver a pandemia da COVID-19 como uma oportunidade, com mercados maduros e emergentes procurando tirar proveito disso. Algumas tendências na região AP ajudaram a impulsionar essa perspectiva. Os usuários asiáticos em muitas regiões são mais jovens, impulsionando a adoção digital. E, ao passo que as empresas asiáticas normalmente têm uma visão no longo prazo sobre investimento,[i] um boom no comércio eletrônico (acelerado pela pandemia) está alimentando um aumento nos bancos on-line e nos pagamentos digitais. Os órgãos reguladores estão promovendo ativamente esse crescimento com alocações de licenças e novas normas bancárias. Novos participantes no espaço bancário, como Tencent/Alibaba na China e Kakao na Coreia estão começando a dominar.[ii] Outras áreas-chave para os negócios da região AP incluem 5G, cibersegurança, IA, AM e análise de big data.

Isso se alinha com as conclusões da GTTS para a região AP, que reuniu insights de 600 tomadores de decisão de TI em seis países, incluindo Austrália, China, Hong Kong, Japão, Cingapura e Coreia do Sul. As principais prioridades dos líderes de TI na região AP incluem a digitalização da infraestrutura de TI (76%) e a melhoria da segurança cibernética (75%), seguidas pela redução de custos e o aumento da eficiência (71%), o cumprimento das regulamentações de dados (70%) e a melhor otimização da rede (68%).

Comparável aos resultados globais (57%), a maioria das empresas da região AP (60%) planejam expandir, embora a dependência de conexões virtuais em relação às físicas seja ligeiramente menor – apenas 57% das empresas da região AP que planejam expandir o farão virtualmente, em comparação com 63% globalmente. A COVID-19 também está acelerando a digitalização na região, com 46% acompanhando rapidamente sua transformação digital e 44% aumentando seu orçamento de TI.

72%

Os tomadores de decisão de TI nas Américas estão à frente no que diz respeito ao valor da interconexão - quase 3 em cada 4 (72%) concordam que a interconexão os ajudará a navegar em um mundo pós-pandêmico, em comparação com 58% globalmente.

Significativamente, dois terços (66%) dos tomadores de decisão de TI na AP dizem que planejam mover mais funções para a cloud, e 69% desses esperam que isso ocorra nos próximos 12 meses. A mudança para implantações híbridas e multicloud também acompanha o aumento das preocupações corporativas sobre a segurança cibernética e a necessidade de ampliar a resiliência cibernética em toda a cadeia de fornecimento, bem como o desejo de cortar custos e aumentar a eficiência.

Embora um pouco mais conservadores do que os das Américas, os tomadores de decisão de TI da região AP valorizam a interconexão – 61% concordam que ela ajudará as empresas a avançar em um mundo pós-pandemia. Eles também veem a interconexão como um facilitador-chave para a transformação digital (61%) e a vantagem competitiva (56%) – em comparação com 57% e 54% globalmente. E os setores que mais provavelmente se beneficiam da interconexão na região AP incluem serviços financeiros, saúde e serviços profissionais.

A cloud está aquecendo na região EMEA, à medida que novas experiências de compras, trabalho e mídia emergem

Na EMEA, sem dúvida alimentadas pela pandemia, as tecnologias digitais estão remodelando os setores de CMD e varejo em particular. Os streamers over the top (OTT) registraram crescimento recorde de assinantes em todas as regiões, com a Europa Ocidental crescendo 15,6% em 2020, levando a um aumento da concorrência entre os serviços de streaming.[i] Para melhorar a colaboração e a produtividade, a IA e a realidade virtual (RV) estão sendo aplicadas em todas as etapas do fluxo de trabalho de mídia – desde a criação de conteúdo até a pós-produção e a distribuição de conteúdo.

No setor de varejo, o comércio eletrônico e o comércio social – o processo de venda de produtos diretamente em plataformas de redes sociais como o TikTok – continuam a subir, assim como o uso de IA e RV para melhorar experiências on-line e sem contato. Por exemplo, a H&M lançou um aplicativo de estilo usando AM para oferecer aos usuários sugestões personalizadas e únicas para combinar tudo, desde o tipo de corpo até a cor dos olhos.[ii]

Para entender como tendências como essas estão afetando as empresas da EMEA, pesquisamos 1.500 tomadores de decisão de TI em 15 mercados (100 por país).[iii] Os resultados da GTTS EMEA mostram que os líderes de TI priorizaram um pouco mais o cumprimento das regulamentações de dados (83%) do que em todo o mundo (80%), mas identificou outras prioridades semelhantes – melhoria da segurança cibernética (82%) e digitalização da infraestrutura de TI (82%).

Os resultados revelam que a pandemia teve um efeito nos planos de expansão – 54% das empresas da EMEA planejam expandir este ano, quatro pontos percentuais abaixo do ano passado. No entanto, dos que planejam expandir, 65% planejam fazê-lo utilizando conexões virtuais, em vez de investir em infraestrutura física de TI. Quase metade (45%) dos líderes digitais na EMEA dizem que aceleraram seus planos de transformação digital como resultado da COVID-19 e 67% esperam mover mais funções para a cloud. No entanto, apenas 39% dizem que aumentaram seus orçamentos de TI para satisfazer o rápido crescimento das exigências digitais, em comparação com 42% globalmente.

66%

66% dos decisores de TI na Ásia-Pacífico afirmam que planejam mover mais funções para a nuvem e 69% deles esperam que isso ocorra nos próximos 12 meses.

Uma das razões que pode explicar isso é que as organizações da EMEA se sentiram mais preparadas para a mudança para o trabalho remoto do que outras regiões – 54% relataram que já tinham a infraestrutura de TI para suportar o trabalho remoto, em comparação com 49% globalmente. Outro sinal revelador: as implantações em cloud expandiram desde o ano passado, contribuindo para uma maior flexibilidade e agilidade. Quase metade da infraestrutura das empresas da EMEA (47%) está na cloud, aumento de 41% em relação ao ano passado. Enquanto isso, o uso de cloud híbrida saltou de 30% para 42% e a dependência da multicloud saltou de 17% para 27%. Isso foi semelhante aos resultados globais, em que a adoção de cloud híbrida e multicloud aumentou 12 e 11 pontos percentuais, respectivamente. A EMEA ainda é a única região onde a cloud privada é mais predominante (44% em comparação com 41% globalmente), mas isso é uma redução em relação ao ano passado (52%).

Embora mais conservadores do que suas contrapartes globais, mais da metade (53%) dos decisores de TI da EMEA valorizam o papel da interconexão em ajudar suas organizações a navegar pelos desafios que enfrentam como resultado da COVID-19. Eles também veem a interconexão como um facilitador-chave para a transformação digital (51%) e a vantagem competitiva (49%) – em comparação com 57% e 54% globalmente. Espera-se que as verticais que mais se beneficiarão com a interconexão na EMEA sejam serviços financeiros, saúde, serviços profissionais, educação e engenharia.

À medida que olhamos para um futuro melhor além da pandemia da COVID-19, esperamos que esses insights forneçam orientação útil para sua própria estratégia de transformação digital.

Para saber mais, leia a Pesquisa Global Tech Trends da Equinix.

[i] LinkedIn, Randy Bean, Accelerating Digital And Data Transformation In A Remote-Work World, July 2020.

[ii] McKinsey, Emerging stronger, fitter, faster: The rise of the Asian corporation, Dec 2020.

[iii] McKinsey, Joining the next generation of digital banks in Asia, Jan 2021.

[iv] The Streaming Wars Hit Western Europe; eMarketer; Alina Brentnall; November 13, 2020.

[v] Charged, H&M launches AI-powered personal styling app “Sorted”, Mar 2021.

[vi] EMEA countries surveyed: N=1500, 100 per country for FLAP markets (Frankfurt, London, Amsterdam, Paris) and growth & emerging markets (GEM) (Bulgaria, Finland, Ireland, Italy, Poland, Portugal, Spain, Sweden, Switzerland, Turkey and United Arab Emirates).

54%

As organizações da EMEA se sentiram melhor preparadas para a mudança para o trabalho remoto do que outras regiões - 54% disseram que já tinham a infraestrutura de TI instalada para dar suporte ao trabalho remoto, em comparação com 49% globalmente.

Matthew George
Matthew George Director, Segment Marketing, EMEA
Tejaswini Tilak
Tejaswini Tilak Senior Director, Segment Marketing Asia-Pacific
D.R. Carlson
D.R. Carlson Director, Segment Marketing, Americas