Uma década. Um bilhão.

Há 10 anos entramos na América Latina. Depois de US$ 1 bilhão em expansões e investimentos, estamos mais otimistas do que nunca. Eis a razão:

Jon Lin
Uma década. Um bilhão.

“O mercado LATAM” é uma frase generalizada que escutamos muito em reuniões de negócios e divulgações de resultados. Mas a verdade é que a América Latina não é um só mercado. São muitos mercados. Cada um em sua própria fase de maturidade e crescimento, especialmente quando se trata de adoção de tecnologia, adoção da nuvem e, mais importante, transformação digital.

O Brasil, a maior economia da América Latina e 12ª maior do mundo, tem a terceira maior base de usuários de streaming de vídeo do mundo[2]. Sua economia é impulsionada pelo setor de serviços, incluindo financeiro, hotelaria e TI, além de fabricação como automotiva, energia e aeroespacial.[3]

O México é a segunda maior economia da LATAM e 15ª maior do mundo[4]. Também é um mercado de fintech[5] em rápido crescimento e um importante ponto de entrada para empresas globais que fazem negócios na LATAM.

A Colômbia, a 4ª maior economia da LATAM, experimentou um boom econômico histórico na última década, em grande parte impulsionado pelos setores de energia e fabricação. Tem também o setor de TI que cresce mais rápido no mundo e abriga a maior rede de fibra óptica na LATAM.[6]

A Equinix entrou pela primeira vez na LATAM em 2011, quando adquirimos data centers da ALOG do Brasil. Desde então, expandimos mais para o Rio de Janeiro e São Paulo, seguido pela Colômbia e México.

Esta abordagem em fases foi intencional. Isso nos permitiu avaliar cuidadosamente cada um desses mercados únicos, aprender e nos adaptar às normas culturais e comerciais e desenvolver uma compreensão profunda das necessidades dos clientes.

Depois de dez anos na LATAM e mais de US$ 1 bilhão investido em aquisições e expansões, não temos planos de desacelerar. Agora estamos expandindo ainda mais para esses mercados e, recentemente, incluindo novos terrenos e vastas expansões de nossos data centers IBX em São Paulo, Rio de Janeiro, Bogotá e Querétaro, que atende a Cidade do México.

Os novos espaços terão uma área até cinco vezes maior do que os data centers IBX existentes, proporcionando aos clientes da LATAM maior potência, capacidade e flexibilidade do que nunca.

Veja como os líderes digitais estão preparados para o que está por vir

O GXI Vol. 4 acompanha as mudanças na economia digital e seus impactos nos negócios digitais. Explore como os líderes usam sua infraestrutura digital para impulsionar o crescimento, onde está acontecendo e como você pode usar a interconexão para se manter competitivo.

Saiba mais
GXIVol4-300x193

LATAM (rapidamente) se torna digital

Então, o que está por trás do crescimento e dos investimentos na LATAM? Duas palavras: transformação digital.

Tem havido muita discussão sobre transformação digital nos EUA, EMEA e APAC, mas as empresas em toda a LATAM também estão se transformando digitalmente. Isso só foi acelerado pela pandemia, à medida que cada vez mais organizações constroem a infraestrutura necessária para uma força de trabalho distribuída e híbrida. E, apesar de ser menos madura em suas jornadas de transformação digital do que as outras regiões, a LATAM também tem potencial para o crescimento mais rápido e exponencial.

Um ingrediente crítico para a transformação digital é a interconexão, que fornece aos clientes da Equinix conectividade privada para transferência de dados entre as organizações. De acordo com o Global Lnterconnection lndex (GXI), estudo de mercado publicado pela Equinix, a velocidade de interconexão aumentará a uma taxa composta de 50% entre 2019 e 2023 na LATAM, com a maior parte dessa expansão proveniente das áreas metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Cidade do México e Buenos Aires.

Vimos esse crescimento exemplificado mais recentemente no Brasil, onde o tráfego do Equinix Fabric tráfego cresceu 4 vezes em 2020. Esse número corresponde a duas vezes o crescimento global durante o mesmo período.

O intercâmbio de negócios e de tráfego de internet também está crescendo entre os países da LATAM. Segundo a TeleGeography, o tráfego intrarregional saltou de 5% em 2019 para 20% do total atual. A implantação de novos cabos submarinos e terrestres que conectam países da região entre si e com outros continentes continua contribuindo para esse crescimento.

Capacidade e conexões

Para ajudar os clientes a acelerar suas estratégias de transformação digital, aqui estão algumas áreas de crescimento recente, expansões e desenvolvimentos de infraestrutura na LATAM:

  • Capacidade:
    • O maior dos novos data centers IBX da Equinix será em São Paulo, com uma área de terra que abrange mais de seis campos de futebol.
    • Mantendo a comparação de campos de futebol, nosso novo terreno no Rio de Janeiro equivale a 1,5 campo de futebol. Em Querétaro, no México, o novo terreno é de quase dois campos de futebol, e nosso novo terreno em Bogotá, na Colômbia, é um pouco maior que um campo de futebol.
  • Conexões:
    • Novos cabos submarinos para 2021 incluem o Malbec, que liga o Brasil e a Argentina. Isso permite que o acesso de alta velocidade à rede, cloud, conteúdo e outros provedores de serviços reduza a latência no Brasil, dobrando a capacidade da Argentina.
    • Ella Link, a primeira conexão direta entre a América do Sul e a Europa, liga São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza a Lisboa, Madri e Marselha. Os pontos de presença em São Paulo, Rio de Janeiro, Madri e Lisboa estarão dentro dos data centers da Equinix.
    • Em 2020, a IPTP Networks, um grupo global de empresas de telecomunicações, começou a oferecer uma nova rota continental entre Peru, Bolívia e Brasil. O novo serviço é mais rápido e garante 30% menos latência do que outras rotas disponíveis. O IBX da Equinix em São Paulo é o ponto de chegada das empresas da costa oeste.
    • Nossos três data centers IBX recém-inaugurados no México estão se tornando rapidamente um importante centro de interconexão para empresas e provedores de serviços que trocam tráfego no corredor digital oeste da LATAM, incluindo o México, Dallas e Los Angeles.
    • O Brasil continua a crescer como um centro regional para gigantes da tecnologia, abrigando infraestruturas em cloud de empresas como AWS, IBM, Google e Microsoft. Esse avanço da conectividade favorece as empresas em toda a LATAM.

Também anunciamos recentemente acordos para acrescentar uma joint venture adicional de US$ 3,9 bilhões com nosso parceiro GIC, o fundo soberano de Cingapura, para capturar a demanda em hiperescala e aprofundar a densidade da cloud em todo o mundo. Quando fechado, esse novo negócio levará o portfólio total de data centers xScale para mais de US$ 6,9 bilhões em 32 data centers em todo o mundo.

O que isso significa para a LATAM? Isso significa que veremos o primeiro data center xScale da Equinix na região este ano, com inauguração prevista para o 3º trimestre em São Paulo, o maior centro econômico e industrial do hemisfério sul. O centro se conectará a quatro data centers existentes do International Business Exchange (IBX®) da Equinix.

Então, o que a próxima década reserva para a Equinix na LATAM? O tempo dirá. Mas escutar nossos clientes e ficar à frente das tendências do mercado combinado com a força, resiliência e otimismo do povo da LATAM está tecendo uma história bastante interessante.

[1] Brazil Central Bank – Focus Economics (February 5th, 2021)

[2] Telegeography, Datare Portal, IDC – Predictions Brazil 2021

[3] The World Bank. Services, Value Added (% of GDP) (May 17, 2021)

[4] https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_countries_by_GDP_(nominal)

[5] Finnovista, Mexico exceeds the barrier of 300 Fintech startups and reinforces its position as the second most important Fintech ecosystem in Latin America, Sep 2018.

[6] World Economic Outlook Database, October 2019