As novas experiências de compra no Varejo requerem uma nova arquitetura de TI

Experiências de consumo se renovam e exigem infraestrutura digital capaz de se adaptar e alcançar rapidamente clientes e fornecedores, onde quer que estejam

João Batista
As novas experiências de compra no Varejo requerem uma nova arquitetura de TI

O ano de 2020 será lembrado como o momento da “virada de chave” do mundo físico para o digital por grande parte das indústrias, e os desafios do distanciamento social e da sobrevivência dos negócios posicionam o varejo como uma delas. Com o fechamento das lojas físicas ou restrições de atendimento para conter a pandemia de COVID-19, investir em uma estratégia omnichannel eficiente deixou de ser um projeto futuro para se tornar uma prioridade.

A pesquisa  “Transformação Digital no Varejo Brasileiro[i]”, conduzida pela SBVC (Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo) em parceria com Oasis Lab Innovation Space, apontou um aumento de 87% no investimento em transformação digital em 2020, destinado em especial a soluções como meios de pagamento (94%) e análises de dados no ambiente online (77%). Os consumidores, como era de se esperar, ampliaram as compras online. Segundo o Global Consumer Insights Pulse Survey da PwC[ii], a frequência de compras nas lojas físicas do país caiu de 30% em 2020 para 24% em 2021, sendo superada pelo celular (30%) e pelo computador pessoal (29%).

Soluções digital-ready para o Varejo

Baixe blueprints, playbooks e estudos de caso totalmente focados no setor e tire proveito de uma infraestrutura digital.

Acesse agora
Top view close up picture of male shop worker using terminal for contactless payment while female customer holding smartphone
30% e 29%

Foram os percentuais de frequência de compras dos consumidores brasileiros pelo celular e pelo PC, respectivamente, superando as compras em lojas físicas, de acordo com a PwC.

Varejo do futuro é integrado, interativo e personalizado

A primeira iniciativa dos lojistas, sem dúvida, foi oferecer uma experiência digital mais rápida, completa e personalizada aos consumidores. Porém, o varejo do futuro é mais do que isso: é integrado, personalizado e interativo. Integrado porque o modelo omnichannel ganha escala e instantaneidade; personalizado, uma vez que a análise preditiva de dados com ferramentas de inteligência artificial passa a ser mais refinada, possibilitando recomendações mais assertivas e no momento ideal; e interativo porque novas ferramentas preenchem os gaps das compras online. Uma das mais promissoras foi inclusive tema de um debate no South by Southwest 2021, o maior evento de interatividade e cultura criativa do mundo: o live commerce, ou live shopping.

 O formato é popular na China, e consiste em uma transmissão ao vivo realizada dentro de uma plataforma digital, na qual o consumidor consegue assistir e interagir com o apresentador – em geral um artista ou influenciador – e comprar os produtos. O ponto forte do live commerce é aproximar e conectar o cliente à marca. Grandes varejistas globais e nacionais experimentaram e aprovaram o novo modelo nos últimos meses, alguns até com plataformas de compras ao vivo dentro do espaço digital dos vendedores.

Implemente hubs de interconexão do core, passando por ecossistemas até a digital edge

No entanto, para dar este novo salto evolutivo, caracterizado pela integração entre as experiências online e presencial e a análise de dados em tempo real, a infraestrutura de TI requer uma abordagem renovada: uma arquitetura flexível, resiliente e com pontos de interconexão em locais estratégicos próximos aos fornecedores e consumidores. O varejista deve estar integrado a um ecossistema onde possa se conectar a provedores de rede, TI e parceiros de negócios. Sua infraestrutura deve ser escalável e sob demanda, habilitada para uma orquestração digital na edge, de modo a agilizar o Go to Market de novos serviços e produtos.

Nos data centers Equinix International Business Exchange™ (IBX®), os varejistas podem implementar sua infraestrutura core, através the hubs distribuídos e interconectados globalmente, permitindo uma melhor comunicação com todo o ecossistema de parceiros de negócios, provedores de Ti, cloud, rede e segurança, além de outros segmentos como meios de pagamentos e enterprises, possibilitando ao varejista alavancar estratégia de marketplace, por exemplo, além das múltiplas possibilidades de orquestração de sistemas e aplicações na edge.

 Para responder à demanda por personalização, basta interconectar via Equinix Fabric™ os bancos de dados locais a plataformas de cloud que, por sua vez, oferecem suporte a análises em tempo real, possibilitando visibilidade dos comportamentos de compra dos clientes e geração de insights valiosos para o negócio.

Conecte suas filiais virtualmente

Um dos desafios dos varejistas é a otimização dos custos para conectar suas unidades de negócio sem impactar a performance das aplicações. A reestruturação de redes utilizando novas tecnologias, como SD-WAN, se torna vital para estratégias de digitalização do varejo. Implementar hubs distribuídos e conectados com SD-WAN permite às empresas melhorar a gestão e o fluxo de dados que aumentam exponencialmente, reduzir a distância entre seus serviços e consumidores, otimizar os custos de transporte e melhorar o desempenho das aplicações.

A implementação da infraestrutura core, adicionando camadas de virtualização de redes com extensão até a edge, permite aos negócios acelerarem suas estratégias digitais e estabelecerem uma clara vantagem competitiva, através da Plataforma Equinix. Os serviços de edge são implementados remotamente, dispensando o deslocamento até o IBX, o que se torna um benefício adicional em tempos de pandemia.

Para acessar o ecossistema dos principais provedores de dispositivos de rede virtual – como AT&T, Cisco, Fortinet, Juniper Networks, Palo Alto/CloudGenix, VMware VeloCloud e Versa Networks –  as empresas estão habilitadas a configurar em minutos os serviços de Network Edge da Equinix, de forma ágil e sob demanda, sem a necessidade de aquisição de hardware.

O diagrama abaixo mostra como, com o Network Edge, um dispositivo SD-WAN pode ser conectado fisicamente (via cross connect) a uma rede ou provedor de internet e virtualmente (via Equinix FabricTM) aos provedores de cloud e outros provedores de TI. Em outras palavras, trata-se de uma alternativa segura e rápida a uma rede física convencional.

Contar com hubs baseados em SD-WAN se tornou uma necessidade para gerir o volume crescente de dados, reduzir a distância entre os serviços e os consumidores e manter os custos sob controle”

Velocidade de interconexão do varejo está em rápida expansão

De acordo com o Volume 4 do Global Interconnection Index (GXI), a velocidade de interconexão das empresas de atacado e varejo crescerá 43% ao ano entre 2019-2023 na América Latina, acima da média global prevista para 35%[iii],.

Ao integrar tecnologias digitais e acelerar a comunicação com seu ecossistema de parceiros de negócio, provedores de TI e consumidores, as empresas de varejo estão habilitadas a criar rapidamente novos canais de receita, oferecer melhores experiências aos seus clientes e ampliar os lucros, virando definitivamente a chave para o mundo digital.

Para saber mais sobre como a Equinix pode contribuir para uma estratégia de varejo de sucesso, leia o Consumer Retail – Digital Edge Playbook

Modernize sua Rede Virtualmente com o Network Edge

 

[i] http://sbvc.com.br/3a-edicao-transformacao-digital-no-varejo-brasileiro-sbvc-2021/

[ii] https://www.pwc.com.br/pt/estudos/setores-atividade/produtos-consumo-varejo/2021/global-consumer-insights-2021.html

João Batista
João Batista Senior Solution Marketing Analyst at Equinix in Brazil